Do Coração do Bispo

Um Grito no Ano do Jubileu. Por um verdadeiro avivamento.

Bp Anderson Caleb
Metodista Wesleyana, 1ª Região.
Aos líderes da 1ª Região.

Em minhas andanças e já no segundo episcopado tenho tido algumas preocupações que quero compartilhar aqui. Faço deste artigo um “grito”, sem querer ser saudosista, pela herança e pelo legado de 67 e pelo Avivamento e seus “eternos” princípios.
Não ouso generalizar aqui, todavia muitas igrejas locais e líderes escolheram hoje um caminho preocupante.

Preocupações que me fazem gritar nesse ano:

1. A SUPER VALORIZAÇÃO DA MÚSICA EM ALGUNS CULTOS EM DETRIMENTO DA PREGAÇÃO E DA ORAÇÃO.

Amo a música e o louvor, todavia, muitos dos nossos cultos tem mais tempo, mais tecnologia, mais gente envolvida, mais investimento, voltados para a música do que para a pregação. É claro que a música e o louvor são importantes e devem ser feitos com excelência. Deus usa muito o louvor. Eu também estou aberto a novos cânticos, claro! Entretanto eles não podem tomar o lugar e a primazia da Palavra. Sem revelação não pode haver adoração. Deus salva pela “loucura da pregação!” I Coríntios 1.21
Em 67 não era assim.

2. A DIMINUIÇÃO DO TEMPO EM NOSSOS CULTOS E REUNIÕES PARA A ORAÇÃO.

Em muitas reuniões pouquíssimos minutos se gasta depois do sermão para orar pelas pessoas, pelos que foram tocados pela Palavra. Temos tempo pra tudo menos para oração, para se ajoelhar, para a imposição de mãos. para um clamor, etc.

3. O DESAPARECIMENTO GRADATIVO DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL EM MUITOS LUGARES.

Como eu já disse, não generalizo aqui. Entretanto em muitas de nossas igrejas, Brasil a fora, a EBD está desaparecendo. Muitos estão deixando o domingo pela manhã “pra familia”, só que a família fora da EBD se dispersa no futebol, na praia, nas pistas, nas trilhas, ou na cama até tarde. Seria apenas romantismo ver os filhos crescendo na EBD? Todavia outros ainda realizam uma EBD “meia boca” a tarde, alguns minutos antes do Culto a noite, com meia dúzia de crentes. Mas eu pergunto: como uma Igreja sem ensino bíblico sobreviverá à lógica e aos argumentos do mundo? Das seitas? Do ateísmo? Do Gnosticismo? Dos ecumenismos com religiões pagãs? etc…
Oséias 4.6

4. O DESAPARECIMENTO DAS REUNIÕES DE ORAÇÃO.

Há Igrejas wesleyanas que extinguiram a reunião de oração, ou encontros de oração, trocando as vezes pelo GCEU, ou por outro programa . Será que ambas as coisas não podem conviver juntas? Deve o GCEU eliminar a reunião de oração? Alguns extinguiram os cultos de oração sem ao menos criar outra alternativa para orar com o povo. Isso é preocupante. Em meu ministerio sempre esteve presente o gceu e a reunião de oração. Mesmo que em outro dia, a oração jamais pode acabar na Igreja local.

5. A PERSONALIZAÇÃO E A TIETAGEM NO MINISTERIO.

Aquela exortação de Paulo aos corintios é pertinente ainda hoje. Ainda hoje existem os que dizem: “eu sou de Paulo, de Apolo, do pastor tal, do fulano”. Nem eu e nem você somos celebridades. Cristo é o alvo ,o centro. Alguns estão divididos e dividindo em nome da lealdade. Somos todos de todos. Somos um corpo e uma família! Só houve e só há um Herói: Jesus de Nazaré.

6. ME PREOCUPA TAMBÉM, E EU QUERO GRITAR PELA VOLTA DO MINISTÉRIO DE LIBERTAÇÃO E DA EXPULSÃO DE DEMÔNIOS.

Pouquíssimas vezes a maioria das Igrejas se preocupam com um.ministerio de libertação. Infelizmente o exagero de alguns levou a maioria se afastar desse ministério. Até porque esse ministério também exige de nós mais oração e Jejum. Jesus ainda quer libertar. Hoje tem muito mais endemoninhados do que antigamente, não tenham dúvidas. Quem é onde serão libertos se as Igrejas sérias fugirem desse ministério? Mc 16.15-18.

7. PELO RETORNO DO JEJUM PESSOAL E COLETIVO.

Será que alguém ainda Jejua hoje? Pnso que sim, como eu já disse não vou generalizar aqui. Todavia está cada vez mais raro encontrar programas de jejuns nas Igrejas. Muitos só jejuam qundo alguém está na UTI ou por outros desafios. É claro que ficar divulgando isso parece farisaísmo e exibicionismo. Eu por exemplo não gosto muito de ficar falando de meus jejuns , mas essa prática é indispensável para um Ministério de poder. Que o Jejum volte com força em 2017, é o meu grito.

8. PELO RETORNO DA BUSCA E DA MINISTRAÇÃO DO BATISMO NO ESPIRITO SANTO.

Fico pasmo ao saber que cada vez mais Presbiteros e até pastores entram no ministerio sem ter recebido o batismo no Espírito Santo. Isso é preocupante. Todavia se não houver ensino e verdadeira busca, imposição de mãos, clamor, a experiência não vira. E é claro: com evidência de línguas, glossolalia, como foi em Atos.

9. PELA ÊNFASE NA SANTIFICAÇÃO E NA DIFERENÇA CRISTÃ ENTRE OS CRENTES E INCRÉDULOS.

“Santidade como estilo de vida’ está escrito em nossa bandeira. Entretanto poucos eventos , congressos e sermões tratam de tão excelente tema. É preciso resgatar esse ensino que vai se fossilizando em alguns lugares. Não existe céu sem Santidade e nem Santidade sem céu, Hebreus 12.14. A luz é diferente das trevas, o sagrado e o profano são diferentes. Ml 3.18.

10. POR SERMÕES FIRMES CONTRA O PECADO, MAS CHEIOS DE GRAÇA E MISERICÓRDIA.

Pregar contra o pecado não é pra muitos uma coisa “politicamente correta”. Não dá ibope. Mas foi assim que avivamentos surgiram. O sermão de Atos 2 denunciou o pecado do auditório, Wesley, Edwards, Finney são exemplos do que falo. Mas é claro, tais sermões precisam apontar para a graça e a misericórdia de Deus. Caso contrário matarão ao invés de trazerem vida. Avivamento é o encontro do pecado com a graça , onde a graça sempre vence.

Conclusão:

Sim, vejo muitas coisas positivas na Igreja hoje. O Espirito Santo age hoje, graças a Deus. Todavia meu grito é pelas pérolas do evangelho que estão se perdendo em algumas igrejas nossas. Espero e oro que alguém o ouça o meu grito.

Bispo Anderson Caleb

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados

1 thought on “Um Grito no Ano do Jubileu. Por um verdadeiro avivamento.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Além disso, verifique

Close
Close